Alguns recursos desse site utilizam cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao continuar a navegar nesse site, você concorda em utilizá-los?

Área de Conhecimento

Resultados de estudos, pesquisas e nossa produção intelectual ao seu alcance.

Aqui você encontra parte de nossos conteúdos.
Veja todo conteúdo

A Bahia, pronta para Inovar.

Por Paulo Pietrobon* Você já conheceu alguém que percebeu que estava errado, mas por razões culturais, para não sair da […]

A Bahia, pronta para Inovar.

Por Paulo Pietrobon*

Você já conheceu alguém que percebeu que estava errado, mas por razões culturais, para não sair da zona de conforto, por não querer arriscar uma posição de privilégio, escolheu a inércia? Assim tem agido a Bahia nas últimas duas décadas.

Isso não quer dizer que ela não mudou nesse período. O problema é que mudou apenas na superfície quando na verdade precisava de mudanças estruturais. Não transformou o seu modelo de produção, e muito menos sua cultura. Ela continua com uma economia baseada em organizações departamentais e com uma sociedade que investe no desenvolvimento de forma difusa. Indo direto ao ponto: o mercado baiano não conseguiu consolidar redes intersetoriais; também não conseguiu ter uma visão sistêmica dos seus problemas e potenciais; nem planejar de forma integrada; e muito menos trabalhar em projetos estratégicos de forma colaborativa e em rede.

A Bahia tem a consciência de que precisa mudar, porque está sofrendo pressões pelos preocupantes dados sociais e econômicos. Mas ela tem tido dificuldade em se despir de uma cultura centralizadora e resistente à inovação, mesmo enxergando pela janela um mundo que acelera suas transformações trabalhando em rede (em alguns casos, em Estados vizinhos). E esse quadro a coloca cada vez mais longe das oportunidades contemporâneas, interconectadas e globais.

A raiz dessa nova realidade global está em uma economia organizada em rede – que produz, compartilha e aplica conhecimentos em produtos e serviços inovadores. Foi assim no Vale do Silício e esse modelo tem se espalhado pelo Brasil (Porto Digital, em Recife; e Sapiens Park, em Florianópolis; só para citar dois exemplos) e pelo mundo. Para entender a raiz da pressão, a Globalização fez com que esse dinamismo econômico, baseado em conhecimento, se tornasse o fundamento para a geração de desenvolvimento e riqueza no mundo atual. Ou seja, esse novo mercado global, em rede e intensivo em conhecimento, revolucionou tecnologias, o modelo de produção e a cultura global.

De volta à Bahia, ao conversar com gestores de cada setor sobre a possibilidade de atuar em rede, ouvimos que há deficiências dentro dos Governos, das Universidades e das Empresas. Ok. Mas, e nos lugares citados acima? As organizações são perfeitas? Não. Na verdade, o grande atributo desse modelo de governança em rede (Tríplice Hélice) é que ao convergir organizações de diferentes setores, um supre as deficiências do outro. O que tem capacidade de gestão supre quem é burocrático; o que produz conhecimento e tecnologia supre quem carece desses insumos para ser competitivo; o que elabora e aplica as leis supre as dificuldades de quem sofre com normas injustas; e assim por diante…

Assim, ao mesmo tempo em que as diferenças trazem desafios, ao colocar Empresas, Governo e Universidade juntos – ao redor da mesma mesa para planejar, inovar e promover o desenvolvimento – conseguimos convergir recursos intersetoriais para a realização de uma  estratégia comum, e somos mais efetivos na geração de impactos econômicos e sociais.

Por outro lado, a Bahia está em ebulição, e pronta para mudar de fase. Nos últimos dois meses foram realizados inúmeros eventos que integraram FIEB, ABAS, Universidades e Associação Comercial, como o I Fórum Nacional de Ecossistemas de Startups, dentro da Campus Party Bahia; o Tech UK Connect em parceria com o Consulado do Reino Unido; o I Fórum Baiano de Oportunidades e Negócios Internacionais, (CEERI/FIEB); e grandes empresas abriram suas portas para realizar eventos de Inovação Aberta – onde startups maduras apresentarem pitches (gerando negócios); entre outros exemplos.

Ou seja, a vontade já existe e a mudança está latente. Já temos um ecossistema capaz de empreender, inovar e levar maior competitividade às nossas cadeias produtivas tradicionais: Petroquímica, Agronegócio, Alimentos e Bebidas, Automobilística, Mineração, Turismo e Economia Criativa. Precisamos apenas mudar o mind set dos nossos líderes para entrarmos com força nesse novo momento histórico. Essa mudança de mentalidade demandará conhecimento técnico e tecnológico. A experiência e os conhecimentos acumulados pela empresa de consultoria Pieracciani, que atua apoiando empresas nacionais e transnacionais em seus processos de inovação no Brasil (via Educação,  Consultoria e Funding), representa um ativo que pode ser de grande valia para preencher esse gap baiano. Há uma grande oportunidade no horizonte.

*Paulo Pietrobon é coordenador do LABPROJ – Laboratório de Projetos Institucionais (IHAC/UFBA); Diretor de Projetos da ABAS – Associação Baiana de Startups; e Coordenador de Projetos Internacionais da CONAJE – Confederação Nacional de Jovens Empresários.

São Paulo ganha centro de inovação para mercado jurídico

A Thomson Reuters, provedora mundial de soluções em tecnologia, se juntou a Future Law, uma iniciativa dos advogados Christiano Xavier, Alexandre [...]

Número recorde de empresas usa Lei do Bem, de subsídio à inovação

A procura por incentivos fiscais com base na Lei do Bem bateu recorde em 2017, segundo os dados anuais que [...]

A indústria 4.0 e as grandes transformações na cadeia de valor

A velocidade das mudanças é intensa. Cada vez mais o cliente paga pelo que você é, o que você representa, [...]

Mais fomento para inovação: US$1,5 bilhão do BID para FINEP executar

Governo Federal e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) assinaram ontem (01/08), a primeira operação de US$ 703,6 milhões para [...]

“Overcrowded - Designing Meaningful Products in a World Awash with Ideas”

Por Ronald Dauscha Em seu reflexivo livro “Design-Driven Innovation – Mudando as Regras da Competição”, Roberto Verganti nos confronta com [...]

Governo dribla crise e oficializa o Rota 2030

Por Francisco Tripodi e Marcelo Cunha Chega ao fim um longo período de angústia das empresas da cadeia automotiva após [...]

49 das empresas mais inovadoras do Brasil são clientes da Pieracciani

Uma relação construída ao longo do tempo com confiança, competência e geração de valor. A Pieracciani parabeniza e agradece pela [...]

BNDES Lança Programa para o Desenvolvimento de Startups

Alinhando-se a outras instituições privadas e públicas o BNDES acaba de lançar, no início de julho, o seu próprio Programa [...]

MDIC publica Portaria que dispõe sobre os procedimentos de fiscalização do INOVAR-AUTO e estende prazo de entrega da auditoria do Programa

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) publicou na última terça-feira (03 de julho) a Portaria nº 1.123-SEI, [...]

É sancionada lei que prevê incentivos a empresas de tecnologia que investem em startups com base em projetos P&D

Pela primeira vez se tem uma lei sancionada que prevê incentivos a empresas de tecnologias da informação e serviços, de [...]

Os países mais inovadores do mundo, segundo o ranking Bloomberg 2018

A Coréia do Sul e a Suécia se mantêm como os países mais inovadores do mundo, de acordo com o [...]

contato

fale conosco

Entre em contato com a gente pelo formulário abaixo:
Assunto:
Comentário:

Trabalhe conosco

Envie seu currículo para Pieracciani:
Área:
Comentário:
55 11 5506 2953

Rua Geraldo Flausino Gomes, 78cj. 151
Brooklin NovoSão PauloSP04575-060

Cadastre-se

Receba novidades e notícias da Pieracciani